Malmequer


Pandereiteir@s e festeir@s da beira atlántica da Galiza


Malmequer
malmequer.vigo@gmail.com
 GAVETAS
 OS SERÁNS (Sección de consulta)
 FOTOS PARA A HISTORIA
 LIGAZÓNS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

O Home osquestra galego
Homem orquestra" toca com a boca, as mãos e os pés

Chega a carregar mais de uma dezena de instrumentos, toca com as mãos, a boca e os pés e ainda canta. Faz a festa sozinho e é um dos últimos "homens orquestra" da Península Ibérica.


Ligado à música desde pequeno, Cesar Freiria Prado, um galego de 34 anos nascido numa família de gaiteiros, decidiu, no Verão de 2008, transformar-se num "homem orquestra", escolhendo a rua como o palco para os seus concertos.

"Gosto do contacto directo com as pessoas e os meus espectáculos acabam sempre por contar com a colaboração de quem passa na rua", referiu, à Agência Lusa.

Às costas carrega os instrumentos de percussão, nomeadamente o bombo e a pandeireta, que toca com os pés, através de um mecanismo que o próprio inventou. "Chamo-lhe o 'bate-pés'. Quando mexo os pés, acciono um mecanismo que faz tocar o bombo e a pandeireta", explicou.

À frente, transporta um acordeão e, ao pescoço, leva sempre harmónicas ou realejos. Cavaquinhos, violas, flautas, gaita-de-foles, clarinetes e bandolins são outros instrumentos que Cesar Prado transporta sempre que vai para um concerto.

"Tenho de ir preparado para tudo, porque raramente sei que tipo de público vou encontrar", diz.

Dois outros "adereços" que não dispensa são os chocalhos e o corno, com que anuncia a sua chegada e a sua partida.

Do seu repertório faz parte, essencialmente, música tradicional da Galiza, mas também faz "incursões" por outros mundos, tocando, por exemplo, o bem português "Malhão" ou o brasileiro "Mamãe, eu quero".

Cria alguns dos seus instrumentos, com canas e materiais reciclados, compõe muitas das melodias que canta e garante que, por sua vontade, a tradição dos "homens orquestra" não acabará na Península Ibérica.

"A procura tem sido muito boa, o que significa que as pessoas gostam ou acham piada. Ora como eu também gosto e acho piada, quero acreditar que estou nisto para lavar e durar", rematou.

Natural de Vigo, na Galiza, Cesar Prado já esteve em Viana do Castelo, para animar a apresentação do III Festival Internacional de Marionetas e Cinema de Animação, e vai voltar hoje, segunda-feira, àquela cidade, no âmbito do mesmo certame.

www.jn.sapo.pt

Comentarios (0) - Categoría: Novas - Publicado o 19-11-2009 11:57
# Ligazón permanente a este artigo
Chuza! Meneame
Deixa o teu comentario
Nome:
Mail: (Non aparecerá publicado)
URL: (Debe comezar por http://)
Comentario:
© by Abertal
free web counter

contador de malmequeriáns dende o 1 de marzo 2007








Galiza

Malmequer